Home / Performance / 2 segundos para o site carregar. Valendo!

2 segundos para o site carregar. Valendo!

As pessoas e o Google gostam de sites rápidos. De acordo com o buscador, o número de segundos que seu site demora para aparecer é um dos fatores para o rankeamento nos resultados da busca.

Sim, você entendeu: a velocidade de carregamento do seu site é um ponto crítico e muitas vezes ignorado nas estratégias de otimização para buscas (SEO). Nem vamos comentar o que isso provoca na experiência de navegação.

Os sites lentos são ruins para o usuário e o Google não gosta disso.

Sites que levam mais de 10 segundos para carregar são os mais prejudicados, segundo os funcionários do Google.

Na prática, isso funciona assim: o robô do Google leva mais tempo para indexar sites lentos. Isso prejudica o seu desempenho – e o número de páginas indexadas pelo sistema.

John Mueller, do Google diz que nos sites que levam mais de 2 segundos para carregar uma URL têm menos URL’s indexadas. Mais: após 2 segundos sem resposta, o sistema interrompe a indexação.

A Forbes fez um teste este ano e concluiu que quando as páginas carregam mais lentamente os usuários leem menos.

Veja a tabela

Tempo de carregamento de página Impacto em 7 dias 28 dias
1 segundo mais lento – 4,9% – 4,6%
2 segundos mais lento – 5,0%
3 segundos mais lento – 7,2% – 7,9%

Ou seja: a velocidade do site afeta receitas – no caso da Forbes centenas de milhares de libras no curto prazo e milhões em longo prazo. A velocidade impacta de forma negativa a profundidade de navegação – mesmo quando é pouca lentidão. Por conta desta pesquisa, a empresa criou o novo site do FT.com (Financial Times) ainda mais rápido.

Os sites de e-commerce são os que mais sofrem quando acontecem problemas de desempenho, porque o usuário simplesmente abandona a compra. Em 2013, as pesquisas já mostravam o impacto negativo da velocidade nas vendas. Sim, no e-commerce, cada segundo conta.

cada segundo conta

Embora 2 segundos seja um tempo aceitável, outro funcionário do Google, Maile Ohye diz que o esperado é que carreguem em menos de meio segundo.

MEIO SEGUNDO.

Vejam a análise de impacto da velocidade sobre a conversão, feita pelo Walmart.

conversão Walmart

A Akamai e a Forrester Consulting fizeram uma pesquisa com internautas e descobriram o seguinte:

  • 47% dos consumidores esperam que a página carregue em 2 segundos ou menos.
  • 40% dos consumidores abandonam o site após 3 segundos.
  • 52% dos consumidores afirmam que a velocidade está diretamente associada com a fidelidade a um determinado site.
  • 14% visitam outro site.
  • 23% interrompem a navegação.

Para o e-commerce, especificamente, os achados são piores (a pesquisa é de 2009, estes números podem ter mudado para menos):

  • 79% desistem de comprar através do site.
  • 64% procuram sites mais rápidos

A lealdade do consumidor – principalmente dos que gastam mais – está diretamente ligada à velocidade de carregamento. Os usuários e compradores classificado como heavy users não compram no site se for muito lento e também evitam a loja física da marca.

Sabem o que é pior? Metade dos 500 maiores sites de e-commerce dos Estados Unidos levam mais de 4 segundos para carregar – e os brasileiros também não são muito diferentes.

Veja no Infográfico como a performance afeta as compras em sites.

infografico_performance e as compras

 

Qual a velocidade dos principais sites de e-commerce do Brasil?

Para mostrar o desempenho dos 20 maiores do Brasil, conforme a lista do Olhar Digital, usamos a ferramenta do próprio Google, o PageSpeed Insights. Os resultados você confere abaixo

Desempenho dos maiores sites brasileiros pelo ranking de audiência
E-commerce Mobile Desktop
1º – Netshoes 55 71
2º – Americanas 56 70
3º – Walmart 47 73
4º – Aliexpress 49 53
5º – Submarino 58 71
6º – Extra 42 63
7º – Casas Bahia 42 63
8º – Magazine Luiza 51 66
9º – Dafiti 54 76
10º – Ponto Frio 41 59
11º – Saraiva 72 76
12º – Shoptime 52 71
13º – Ricardo Eletro 53 67
14º – eBay 58 64
15º – Centauro 62 76
16º – Hotel Urbano 45 80
17º – Amazon 57 76
18º – Kanui 60 77
19º – Passarela 46 58
20º – Fastshop 52 57

 

Reordenamos a mesma tabela filtrando pelas notas do Page Speed e vejam o que acontece:

Desempenho dos maiores sites brasileiros por velocidade – audiência x velocidade
E-commerce Mobile Desktop
16º – Hotel Urbano

45

80

18º – Kanui

60

77

9º – Dafiti

54

76

11º – Saraiva

72

76

15º – Centauro

62

76

17º – Amazon

57

76

3º – Walmart

47

73

1º – Netshoes

55

71

5º – Submarino

58

71

12º – Shoptime

52

71

2º – Americanas

56

70

13º – Ricardo Eletro

53

67

8º – Magazine Luiza

51

66

14º – eBay

58

64

6º – Extra

42

63

7º – Casas Bahia

42

63

10º – Ponto Frio

41

59

19º – Passarela

46

58

20º – Fastshop

52

57

4º – Aliexpress

49

53

O baixo desempenho de velocidade é um fator para a baixa taxa de conversão brasileira, que é de 1,23% em média, metade do que se verifica nos Estados Unidos.

Como melhorar a velocidade do seu site

  1. O primeiro passo é ver as recomendações do Page Speed Insights do Google. Por lá estão as principais recomendações para melhorar a velocidade de carregamento e resolver problemas de usabilidade.
  2. Infraestrutura – se você usa infraestrutura própria garanta o desempenho do servidor, redundância, latência e resposta rápida.
  3. Cuidado com Javascript e CSS – a maioria dos alertas do Google para os sites acima são exatamente este. Você pode reduzir o tamanho e peso destes elementos em suas páginas usando as normas do W3C e ferramentas de compressão.
  4. HTML – o código da página deve ser limpo. Quanto mais limpo, mais rápido para carregar.
  5. Cache – use o cache dos navegadores a seu favor.
  6. Compressão de imagens – é o ponto mais delicado e mais fácil de resolver. Há programas que reduzem em até 30% o tamanho sem perda de qualidade.
  7. CDN – O uso de redes de distribuição de conteúdo (Content Delivery Networks) permitem que o site carregue muito mais rápido, porque estas redes entregam as imagens através do servidor mais próximo.

Artigo traduzido e adaptado de Hobo por Raphael Lassance. Publicado no LinkedIn.

foto: Jan Persiel via Compfight cc