Home / Gestão / Você sabe como calcular seu custo de estoque? Veja dicas aqui!
custo de estoque

Você sabe como calcular seu custo de estoque? Veja dicas aqui!

Um bom controle de estoque em uma loja virtual deve garantir que os produtos estejam sempre disponíveis no tempo e nas quantidades necessárias.

Nesse sentido, o gestor de e-commerce tem um grande desafio: saber como calcular custo de estoque, reduzir esse custo e, ao mesmo tempo, garantir um nível de serviço diferenciado. Afinal, os clientes querem cada vez mais rapidez e conveniência, mas não necessariamente estão dispostos a pagar por isso.

De maneira geral, a dificuldade em solucionar essa questão está relacionada ao desconhecimento da estrutura básica de custos logísticos. Sua otimização frequente é capaz de promover economias consideráveis, uma vez que esse setor representa, em média, entre 20 e 40% dos custos totais das empresas. Quer saber como calcular custo de estoque? Então continue a leitura e entenda como funciona!

Quais são os custos associados ao estoque?

Os custos de estoque não compreendem apenas o preço das mercadorias. Existem outras três categorias de custos que precisam ser consideradas. São elas:

Custos de pedido

Além do custo do produto em si, a compra de mercadorias gera uma série de custos administrativos, como o tempo do funcionário encarregado da requisição, a gestão da documentação envolvida, o recebimento e verificação do pedido, entre outros. A busca contínua por eficiência operacional pode reduzir consideravelmente esses valores.

Custos de manutenção

São todos os custos necessários para manter uma certa quantidade de mercadorias por um período, que costumam ser mais representativos dentro do custo total. Incluem componentes como:

  • custos de espaço: refere-se ao aluguel de espaço e seus respectivos custos operacionais, como calefação e iluminação, além de equipamentos de armazenagem;
  • custos de pessoal: relativos aos funcionários responsáveis pela gestão do estoque.
  • custo de seguro: contra incêndio e roubo, por exemplo;
  • custo de perdas: como deterioração, obsolescência, dano e furto;
  • custo de oportunidade do capital: se refere à análise de retorno do dinheiro empregado; estoque imobiliza capital, que poderia ser aplicado de forma diferente, dentro ou fora da empresa.

Custos de falta

Ocorrem caso haja demanda por itens em falta no estoque. Conforme a reação do cliente potencial, podem ocorrer dois tipos de custos de falta:

  • custos de vendas perdidas: quando o cliente cancela o pedido caso o produto desejado esteja em falta. Nesse caso, o custo é o lucro que deixa de ser concretizado e pode incluir um adicional decorrente do efeito sobre as vendas futuras.
  • custos de atrasos: quando o cliente aceita comprar um produto não disponível em estoque. Certos custos administrativos adicionais acontecem no reprocessamento desse pedido, além de custos extraordinários no transporte e manuseio. Há também o custo associado à insatisfação e consequente perda desse cliente, o que é muito difícil de ser mensurado.

Como podemos equilibrar os custos no planejamento logístico?

A perspectiva mais conhecida sobre o assunto é a de que os produtos devem ser mantidos em estoque por várias razões — não perder vendas, absorver variação nas demandas, produzir ou comprar lotes mais econômicos etc. No entanto, essa visão acarreta três problemas para as empresas:

  • custos mais altos de manutenção de estoques;
  • divergência com as respostas do mercado;
  • risco das mercadorias se tornarem obsoletas.

Nesse contexto, custos de manutenção, de pedido e de falta têm comportamentos conflitantes, por isso não é tão fácil balanceá-los.

Por exemplo: podemos dizer que, quanto maiores as quantidades estocadas, maiores serão os custos de manutenção. Mas isso não significa que o custo de estoque é, necessariamente, diretamente proporcional aos lucros obtidos.

Quando o departamento de compras faz uma grande requisição, acaba economizando em despesas administrativas e transporte, além do desconto com transações de larga escala. Assim, o custo de manutenção do excesso de estoques é compensado pela redução de preço obtida. Por outro lado, aumentar a rotatividade do estoque libera ativos. É preciso avaliar em que medida essas diferenças se justificam financeiramente.

Outro exemplo: imagine uma empresa que investiu R$ 100 mil em estoque no ano passado, com apenas dois giros. Caso os estoques girassem 3 vezes e as vendas se mantivessem no mesmo patamar, o investimento alocado diminuiria em R $33 mil. Assumindo que o custo de manutenção de estoques é de 20% ao ano, isso ocasionaria uma economia de R$ 6,6 mil.

Como calcular custo de estoque corretamente?

Considerando essa perspectiva mais ampla, podemos somar todos os três tipos de custo para obter um valor de custo total por cada pedido. Os números correspondentes às diferentes conjunturas devem ser aplicados em um gráfico que relaciona a quantidade pedida com os respectivos custos totais relevantes (custo de pedido, custos de manutenção e custos de falta).

Após essa aplicação, poderemos traçar outra curva, a qual vamos atribuir os custos totais. De maneira geral, essa curva terá o formato de uma letra U. Traçando uma linha vertical a partir do seu ponto mais baixo, teremos a marcação dos valores de cada tipo de custo que garantem o menor custo total possível.

E como garantir o equilíbrio entre custo total e nível de serviço?

Vamos supor que, para garantir um nível de serviço elevado, você estabeleceu a política de que 95% das vendas de um determinado item devem ser atendidas diretamente pelo estoque disponível. Repare que, ao fixar essa disponibilidade, os custos de faltas são considerados indiretamente.

Nesse caso, deve-se ajustar os custos de pedido e manutenção do estoque de modo que sua soma seja minimizada. Devemos ter grande cuidado para fixar o número de serviço de estoque dessa forma: aumentar a disponibilidade de produtos apenas por pressão da área de marketing pode ter um efeito muito negativo sobre o capital investido.

Assim, o enfoque apropriado para controlar os níveis de estoque deve ser cuidadosamente desenvolvido a partir do padrão de demanda de cada produto — que também pode ser irregular, sobretudo no e-commerce, que acompanha o movimento imprevisível da internet.

Uma estratégia de muitas empresas para lidar com esse desafio é a escolha da filosofia just-in-time, que busca satisfazer a demanda à medida em que ela ocorre. Trata-se de um sistema de produção sob encomenda, com qualidade e sem desperdício.

Agora que você sabe como calcular custo de estoque, quer conhecer outras formas de garantir um controle eficiente? Confira mais 5 dicas que podem te ajudar bastante nesse trabalho!

CONTINUE ACOMPANHANDO NOSSAS NOVIDADES AQUI NO BLOG!
SAIBA MAIS SOBRE AS SOLUÇÕES DA JET E-BUSINESS:
SOLICITE UM CONTATO
1254 Lido total 4 Lido hoje