Home / Gestão / Como vencer a disrupção digital e se manter nos negócios
disrupção digital

Como vencer a disrupção digital e se manter nos negócios

18865167474_77ecec08b7_b

Segundo um estudo da Cisco, a disrupção digital vai matar nada menos que 40% das empresas tradicionais. As organizações serão vítimas de seus modelos, que impedem transformações rápidas para acompanhar o mercado. Apple, Uber, AirBNB, Whatsapp, são apenas alguns exemplos da disrupção que vivemos hoje. Os executivos esquecem rápido: ninguém lembra o que a criação do iPhone fez com a indústria de telefones.

Por isso mesmo a Cisco criou um centro de estudo para acompanhar as transformações no negócio digital, o DBT Center (Digital Business Transformation Center), que fica em Lausanne, na Suíça e faz pesquisas sobre o assunto. No estudo em questão, Vórtex digital: como a disrupção digital redefine os setores foram entrevistados 941 executivos de 12 tipos de negócios diferentes.

Os resultados deixam claro como as inovações são vistas pelos executivos. No blog, a empresa explica:

Enquanto a disrupção acontece, 4 de cada 10 executivos em cada categoria de negócio deixará de existir nos próximos cinco anos. A ameaça não atinge apenas as grandes empresas mas setores inteiros.

Os executivos esperam e observam, a disrupção digital não é levada em consideração pelos conselhos e diretorias de 45% das empresas (em média, em todos os setores pesquisados). Além disso, 43% das empresas não percebem o impacto ou risco das inovações e não estudou o assunto profundamente. Um terço delas, observam e esperam. Apenas 25% das empresas se consideram proativas.

No Vórtex Digital não existe segurança ou paraíso. Os setores que serão mais impactados pela disrupção digital entre hoje e 2020 serão os produtos tecnológicos e serviços. Enquanto isso o setor farmacêutico deve ser  menos afetado. Entretanto, em todos os setores, haverá aumento da competitividade, pois as inovações tendem a ser exponenciais.

Inove ou seja superado. Através da sua posição no ranking do Vórtex Digital, as empresas podem avaliar qual será a velocidade que seu setor será afetado pela disrupção. Elas podem escolher produzir a disrupção ou a alternativa de perderem mercado – e seus negócios – quando a mudança chegar.

Essa ruptura está sendo impulsionada pela consolidação das startups, concorrentes digitais proativos e, cada vez mais, a fusão de indústrias com a digitalização liberta as empresas a expandir o seu valor em novos mercados.

A transformação mudará modelos de negócios e vai alterar cadeias de valores e diminuir barreiras entre indústrias. Os disruptores mais bem-sucedidos empregam o que o estudo chama de “perturbação disruptiva”, na qual várias fontes de valor – custo, experiência e plataforma – se fundem para criar novos modelos de negócios e ganhos exponenciais.

vórtex da disrupção digital

O ranking do vórtex – posições no começo sofrerão mais inovação ou serão mais impactadas:

  1. Tecnologia;
  2. Mídia e entretenimento;
  3. Varejo;
  4. Serviços financeiros;
  5. Telecomunicações;
  6. Educação;
  7. Turismo
  8. CPG e Indústrias
  9. Saúde
  10. Utilitários
  11. Óleo e Gás.
  12. Farmacêutico.

O varejo –e o e-commerce – no foco

Em 2015 todos percebemos a mudança que veio com a mobilidade, o aumento dos acessos por celulares/tablets, o comportamento em transformação dos nossos clientes – que querem mais qualidade, eficiência, atenção e boas experiências.

Sim, as trocas serão muito afetadas pela inovação – e cabe a cada um dentro da cadeira do e-commerce (e do varejo) produzir inovação da melhor forma possível dentro das suas organizações. Os empresários podem –e devem, segundo o estudo da Cisco – criar mudanças drásticas para se manter vivos.

Teremos anos interessantes pela frente. Quem dará o primeiro passo no mercado brasileiro?

Foto: Jacob Whittaker via Compfight cc

1204 Lido total 1 Lido hoje